Adicione o seu email para receber atualizações - Follow by Email

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Pernambuco realiza conferência estadual

Novo futuro - O representante do movimento dos catadores local, José Cardoso, lembrou que o tema resíduo sólidos é bem apropriado para a realidade atual, porque atinge diretamente milhares pessoas – 20 mil apenas em Pernambuco. “E espero que do evento sejam extraídos propostas para melhorar a vida dos catadores”, acrescentou.
Dados levantados pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplica (Ipea) sobre a situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável mostram que, em Pernambuco, mais de 76% das pessoas que exercem a atividade de reciclagem são do sexo masculino, com idades que variam entre 12 e 54 anos. De acordo com a pesquisa, nos domicílios de Pernambuco, 55,4% das crianças e adolescentes vivem em lares com pelo menos um catador ou catadora.
As conferências municipais e as regionais são uma preparação para a edição de 2013 da Conferência Nacional de Meio Ambiente, que ocorrerá entre 24 e 27 de outubro em Brasília, com foco na Política Nacional de Resíduos Sólidos, instrumento de educação ambiental e democracia participativa, orientada pelas diretrizes do Ministério do Meio Ambiente.

http://www.conferenciameioambiente.gov.br/pernambuco-realiza-conferencia-estadual/
http://www.conferenciameioambiente.gov.br/

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

CATADORES NO PAÍS

Nordeste concentra 30% dos catadores do país

Pesquisa do Ipea retrata a situação socioeconômica dos catadores de material reciclável

Um estudo, coordenado por técnicos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), revela que cerca de 30% dos catadores de lixo de todo o país estão na região Nordeste (116 mil pessoas), a maioria em áreas urbanas. A Bahia é o estado com maior número de pessoas nesta atividade (34.107).

Os dados, obtidos com base no Censo Demográfico de 2010, estão na publicação Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável. Realizada em parceria com a Secretária-Geral da Presidência da República e a Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a pesquisa reúne indicadores sociais e econômicos desta parcela da sociedade.

O diagnóstico demonstra que a renda média mensal dos catadores da região, em 2010, era de R$ 459,34, 10% inferior ao salário mínimo nacional (R$ 510,00). A média de idade das pessoas que revelaram exercer a atividade ficou entre 30 e 49 anos - aproximadamente 4% ainda não haviam atingido a idade adulta e 15% encontravam-se entre 18 e 29 anos, faixa etária utilizada como referência nas políticas públicas para a juventude.

A participação de negras e negros entre os catadores no Nordeste chegou a 78,0%. A Bahia foi o estado com maior representatividade de negras e de negros entre esses trabalhadores, 84,2%. O Rio Grande do Norte apresentou o menor percentual, 71,2%.

Dentre aquelas pessoas do Nordeste que declararam exercer a profissão no Censo 2010, 53,8% afirmaram que contribuíam para a previdência, embora não se tenha como saber se a contribuição era regular. O Rio Grande do Norte se destacou positivamente, tendo apresentado um valor de cobertura previdenciária de 65,0%. As piores médias foram encontradas no Maranhão e no Piauí, ambos com 42,2% do total de catadores que afirmaram contribuir.

Série
A exemplo desta pesquisa, outras estão em andamento para as demais regiões e para o país. Elas irão subsidiar as etapas estaduais e nacional da 4ª Conferência Nacional do Meio Ambiente, que terá como tema a gestão de resíduos sólidos.